Este editorial, escrito por Andréa Caprara e Valéry Ridde, foi publicado em novembro passado na edição 23 da revista Global Health Promotion. Aborda a necessidade de fortalecer a promoção da saúde na América Latina através do exemplo da epidemia de Zika. Este artigo também está disponível em espanhol, inglês e em francês.

Download e sugestão de citação:

Na comemoração do aniversário de 30 anos da Carta de Ottawa (1), a chegada do Zika vírus na América Latina e a declaração pela OMS, no final de 2015, que caracteriza o Zika com sendo uma emergência global de saúde pública, nos relembra quão pouco conhecidos e pouco implementados são os pilares da Carta em todo o mundo.

Nos últimos três anos, a América Latina foi confrontada com diferentes epidemias de doenças virais, todas transmitidas pelo mesmo vetor, a saber, o mosquito Aedes aegypti. As populações e as autoridades de saúde latino-americanas têm se preocupado principalmente com a dengue, a infecção viral mais importante em termos de sua morbidade e impactos econômicos. Neste contexto, a região também sofreu o surgimento do vírus Chikungunya em 2014 e do Zika vírus em 2015. Os responsáveis pela vigilância epidemiológica local já não têm lugar em seus mapas para novos casos (Figura 1). Essa epidemia mais recente tornou-se mais grave e alarmante quando sua correlação potencial com o aumento exponencial da microcefalia e outras anomalias congênitas foi encontrada em fetos e lactentes, sugerindo transmissão humana vertical, bem como possível transmissão sexual.

 

Carte du quartier de Waldemar Alcantara de Fortaleza, au Brésil: cas du virus Chikungunya (vert) et Zika (jaune).

Figura 1. Mapa do bairro Waldemar Alcantara em Fortaleza, Brasil, mostrando a localização dos casos de infecção com vírus Zika e Chikungunya.

Muitas vezes na história da saúde pública e controle de doenças, o contexto de epidemias tem sido tratado de forma simplista. Os debates atuais parecem focados na busca de uma vacina milagrosa, apesar de que a recentemente introduzida para dengue na América Latina já está sendo questionada (2). As chamadas para apresentar propostas de pesquisas incidem sobre questões clínicas e médicas e, menos frequentemente, sobre intervenções de controle de vetores.

É surpreendente constatar que as evidências sobre a eficácia e implementação de intervenções de controle de vetores sejam tão raras, considerando que conhecemos muito bem o papel desses vetores na transmissão da doença (3). Nem todos os sistemas de vigilância têm incorporado este novo vírus nos protocolos de notificação obrigatória. Além disso, parece que a maioria das intervenções atualmente implementadas operam no âmbito de um paradigma biomédico: pulverização aérea e terrestre com inseticida, liberação de mosquitos transgênicos no ambiente, instalação de mosquiteiros tratados com inseticida, larvicidas em tanques de água, etc.

Estas vias de investigação e intervenção são úteis e promissoras, embora o recurso sistemático a inseticidas químicos seja questionável para o ambiente e a saúde. No entanto, “voltar ao futuro” para uma abordagem clínica e biomédica é preocupante. É como se a Carta de Ottawa de 1986 (1), a Declaração de Sundsvall de 1991 (4), a Declaração Ministerial de Cidade do México de 2000 (5) ou as conclusões e recomendações mais recentes da Comissão da OMS sobre Determinantes Sociais da Saúde em 2008 (6) foram novamente esquecidas.

Não entraremos nos pormenores dessas declarações e de sua importância para os determinantes sociais da saúde, as desigualdades sociais em saúde (7) e a abordagem ecológica em saúde (8,9); entretanto, as reações à chegada do Zika vírus na América Latina são reveladoras e mostram a necessidade de afirmar uma vez mais os valores e ações sustentados pela promoção da saúde. A pesquisa e a formação devem ser mais interdisciplinares do que são hoje. O papel da globalização, do consumo de massa, do desmantelamento dos serviços públicos por uma ideologia neoliberal dominante e do aumento das desigualdades sociais na saúde na América Latina devem ser prioridades, não apenas para a pesquisa, mas também para ações para epidemias como o Zika.

Alguns podem prever que a epidemia Zika vai perder seu fôlego por si só e que o vírus não voltará por vários anos, Mesmo assim, não podemos deixar de intervir, porque o Aedes é responsável por outras tribulações. Por exemplo, os estudos sobre os determinantes sociais da mortalidade relacionada à dengue são muito raros (10) e é necessário realizar mais pesquisas nas ciências sociais sobre as consequências sociais, humanas e psicológicas das crianças com microcefalia.

É preciso financiar a pesquisa de intervenção usando métodos mistos para entender melhor as intervenções na sua totalidade. Os programas de controle de vetores ecológicos (11) e “biosseguros” (12) devem deixar de ser apenas estudados de forma entomológica:  precisam envolver todas as disciplinas para analisar intervenções que, por sua própria natureza, são complexas. A pesquisa de ação participativa deve ser valorizada pela academia e pelos financiadores (13), uma vez que os pensadores latino-americanos são seus pioneiros (em especial, Paulo Freire e Orlando Fals Borda).

As ciências sociais devem ser utilizadas para compreender melhor as intervenções implementadas pelos governos nacionais e locais (9). No entanto, ainda que um dos raros cursos sobre a dengue na América Latina (http://www.redaedes.org) optou por focar o Zika em 2016, nem uma vez durante os quatro dias de capacitação houve palestra sobre ou menção a Ciências Sociais. A apresentação de encerramento não mencionou nenhuma via de pesquisa nesse sentido, apenas aquelas relativas à vacinação e aspectos biomédicos.

As iniciativas em nível local também têm que levar em conta os determinantes sociais da saúde e trabalhar mais intersetorialmente. Essa colaboração evitaria criar mais silos entre os agentes de saúde e agentes de controle de vetores nas cidades, bem como a urbanização e o acesso a serviços sociais básicos (educação, contracepção, etc.). A participação das populações, especialmente mulheres (14), nas decisões que lhes dizem respeito, na sua família e na sua comunidade, devem voltar a estar no centro destas ações, sem cair num otimismo ingênuo sobre certas abordagens. A investigação clínica e o desenvolvimento de vacinas devem certamente continuar, mas não à custa de analisar como os serviços de saúde podem ser reorientados para a atenção primária, a presença e a formação de pessoal de saúde qualificado e a redução das desigualdades de acesso à saúde para cobertura universal de saúde. (15).

A chegada (e logo a partida) do Zika na América Latina é uma janela privilegiada de oportunidade para os empresários políticos promotores da saúde elevarem suas vozes. Por outro lado, fazer-se ouvir pelos “decisores políticos que tiveram de tomar decisões diante de uma enorme incerteza” (16) é uma questão completamente diferente! No entanto, temos de agir agora. Caso contrário, o Aedes e as desigualdades sociais continuarão seu trabalho destrutivo.

 

 

References:

  1. Organisation mondiale de la santé (OMS). Charte d’Ottawa Pour la Promotion de la Santé. Ottawa: OMS; 1986. Accessible à : http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0003/129675/Ottawa_Charter_F.pdf (consultè 24 août 2016). Google Scholar
  2. Halstead SB, Russell PK. Protective and immunological behavior of chimeric yellow fever dengue vaccine. Vaccine 2016; 34: 16431647. Google Scholar Medline
  3. Bowman LR, Donegan S, McCall PJ. Is Dengue vector control deficient in effectiveness or evidence? Systematic review and meta-analysis. PLoS Negl Trop Dis 2016; 10: e0004551. Google Scholar
  4. Organisation mondiale de la santé (OMS). Sundsvall Statement on Supportive Environments for Health. Rapport, 1991. Sundsvall: OMS. Accessible à : http://www.who.int/healthpromotion/conferences/previous/sundsvall/en/ (consultè 24 août 2016). Google Scholar
  5. Organisation mondiale de la santé (OMS). Rapport. Déclaration de México sur la Recherche en Santé. Rapport, 2000. México: OMS. Accessible à :http://www.who.int/rpc/summit/agenda/Mexico_Statement-French.pdf (consultè 24 août 2016). Google Scholar
  6. Organisation mondiale de la santé (OMS). Combler le Fossé en une Génération. Rapport final de la Commission des Déterminants Sociaux de la Santé, 2008. Genève: OMS.
  7. Ridde V. Reducing social inequalities in health: Public health, community health or health promotion? Promot Educ 2007; 14: 6367. Google Scholar Abstract
  8. Charron DF. Ecohealth Research in Practice. Innovative Applications of an Ecosystem Approach to Health. Ottawa and New York: International Development Research Centre; Springer; 2012. Accessible à : http://www.deslibris.ca/ID/442211 (consulté 8 août 2016). Google Scholar
  9. Canadian Public Health Association (CPHA). Global Change and Public Health: Addressing the Ecological Determinants of Health. Rapport, 2015. Ottawa: CPHA.
  10. Carabali M, Hernandez LM, Arauz MJ, . Why are people with dengue dying? A scoping review of determinants for dengue mortality. BMC Infect Dis 2015; 15: 301. Google Scholar Medline
  11. Caprara A, Lima JW, Peixoto ACR, . Entomological impact and social participation in dengue control: A cluster randomized trial in Fortaleza, Brazil. Trans R Soc Trop Med Hyg 2015; 109: 99105. Google Scholar Medline
  12. Bouyer J, Chandre F, Gilles J, . Alternative vector control methods to manage the Zika virus outbreak: More haste, less speed. Lancet Glob Health 2016; 4: e364. Google Scholar Medline
  13. Gilson L, Hanson K, Sheikh K, . Building the field of health policy and systems research: Social science matters. PLoS Med 2011; 8: e1001079. Google Scholar Medline
  14. Harris LH, Silverman NS, Marshall MF. The paradigm of the paradox: Women, pregnant Women, and the unequal burdens of the Zika virus pandemic. Am J Bioeth 2016; 16: 14. Google Scholar Medline
  15. Frenz P, Titelman D. [Health equity in the world’s most unequal region: A challenge for public policy in Latin America]. Rev Peru Med Exp Salud Pública 2013; 30: 665670. Google Scholar Medline
  16. Ferguson NM, Cucunuba ZM, Dorigatti I, . Countering the Zika epidemic in Latin America. Science 2016; 22: 353354. Google Scholar